sábado, 4 de julho de 2009

Como julgamos os outros???


Para os habitantes de Nazaré Jesus era apenas “o carpinteiro” da terra, que nunca tinha estudado com grandes mestres e que tinha uma família conhecida de todos, que não se distinguia em nada das outras famílias que habitavam na vila; por isso, não estavam dispostos a conceder que esse Jesus – perfeitamente conhecido, julgado e catalogado – lhes trouxesse qualquer coisa de novo e de diferente… Isto deve fazer-nos pensar nos preconceitos com que, por vezes, abordamos os nossos irmãos, os julgamos, os catalogamos e etiquetamos…No nosso dia-a-dia gostamos tanto de falar dos outros, de apontar os erros dos outros, de ver o que os outros fazem de mal, de apontar o dedo, de criticar a maneira como falam e a sua forma de agir… Seremos sempre justos na forma como julgamos os outros? Por vezes, os nossos preconceitos não nos impedirão de acolher o irmão e a riqueza que Ele nos traz? E nós?


Alguém contava que dois Monges ao regressar ao mosteiro passavam por um local em que havia um pequeno riacho com uma corrente muito forte. Uma mulher tentava atravessar o rio mas não conseguia.
Um dos Monges ofereceu-se para ajudá-la, e pondo-a sobre seus ombros, atravessou-a para o outro lado.
Feito sua obra de caridade e já voltando para o mosteiro o companheiro disse:
- Vou contar aos irmãos do mosteiro que tu tocaste numa mulher, e sabes que não podes.
- O que é isso caro amigo, fiz apenas um favor aquela mulher.
- Mas, tu sabes que nós Monges não podemos tocar em mulheres, portanto, tu pecaste!
- Eu pergunto qual é o pecado? Perguntou o Monge acusado.
- Se é o que eu fiz levando-a sobre os ombros, até o outro lado do rio, ou o que tu fazes, eu deixei-a lá atrás e tu ainda a trazes na tua cabeça.


Nós somos mais rápidos em julgar os outros que a nós próprios…para os habitantes de Nazaré Jesus não podia ser grande coisa, conheciam-Lhe a família e devido aos seus preconceitos não pode ali ensinar…
Também nós ás vezes devido aos nossos preconceitos, pensamos saber tudo e fechamo-nos ao velho ensinamento popular: “ Estamos sempre a prender”…

3 comentários:

Anônimo disse...

PAZ e BEM!
Somos muito rápidos e muito "bons" a julgar... os outros, claro! Às vezes, até nos atrevemos a julgar Deus, a pensar que Ele não agiu correctamente. Somos assim... para não vermos as nossas imperfeições, mostramos as dos outros.
Quantas vezes os nossos juízos magoam os outros, os "matam" mesmo.
Se Deus não nos condena: quem somos nós para fazer isso aos irmãos?
Não esquecer "o mundo pode até fazer você chorar, mas Deus te quer sorrindo".
Um abraço em Cristo,
Paula
(Paço de Arcos)

Fátima disse...

Pois...há certos comportamentos que censuramos nos outros, mais por inveja do que por virtude.

Maria disse...

É verdade quem julga é Deus e nós que somos Seus filhos em vez de arrebanhar os outros pelo nosso exemplo antes os afastamos criticando.
Sabe Deus se aqueles que nós criticamos, para Deus valem ouro, e nós pela nossa soberba, nem um níquel.
Maria