quinta-feira, 21 de maio de 2009

E este o Meu mandamento: " Amai-vos..."

A certeza de que “Deus é amor” e que Ele nos ama com um amor sem limites, é o melhor caminho para derrubar as barreiras de indiferença, de egoísmo, de auto-suficiência, de orgulho que tantas vezes nos impedem de viver em comunhão com Deus.
É esse o caminho que Jesus propõe aos seus discípulos (“é este o meu mandamento: que vos ameis uns aos outros como Eu vos amei”). É aqui que reside a “identidade” dos discípulos de Jesus… Os cristãos são aqueles que testemunham diante do mundo, com palavras e com gestos, que o mundo novo que Deus quer oferecer aos homens, se constrói através do amor.
Alguém contava que um homem de idade já bem avançada foi fazer um curativo à Clínica. Estava apressado, dizendo-se atrasado para um compromisso, e enquanto o tratava a enfermeira perguntou-lhe sobre qual o motivo da pressa. Ele disse que precisava ir a um asilo de anciãos para, como sempre, tomar o café da manhã com sua mulher que estava internada lá.
Disse que ela já estava há algum tempo nesse lugar porque tinha um Alzheimer. Enquanto lhe acabava de fazer o curativo, a enfermeira perguntei-lhe se ela não ficaria alarmada pelo facto de ele chegar mais tarde.
- Não, ele disse. Ela já não sabe quem eu sou. Faz quase cinco anos que não me reconhece?
Estranhando, perguntou -lhe:
- Mas se ela já não sabe quem o senhor é, porque essa necessidade de estar com ela todas as manhas?
Ele sorriu e dando uma palmadinha na mão da enfermeira, disse:
- É. Ela não sabe quem eu sou, mas eu sei muito bem quem é ela.
O verdadeiro amor é a aceitação de tudo o que o outro é, do que foi, do que será e... do que já não é..."
Por isso os cristãos são aqueles que testemunham diante do mundo, com palavras e com gestos, que o mundo novo que Deus quer oferecer aos homens, se constrói através do amor… mas do verdadeiro…

2 comentários:

Fátima disse...

"...que o mundo novo que Deus quer oferecer aos homens, se constrói através do amor… mas do verdadeiro…"

Mas, só sendo verdadeiro e incondicional se poderá chamar amor.
A passagem que nos conta lembra-me "O Diário da Nossa Paixão" do Nicholas Sparks. Esse amor que não acaba com o passar dos anos, mas que tem de se adaptar às realidades da vida.
Vida essa que, deve ser vivida no seu pleno, apesar de todas as contrariedades, como jurámos no dia do casamento "...amar-te e respeitar-te, na saúde e na doença, todos os dias da nossa vida..."

Pinhas disse...

Ao ler o post, lembrei-me de uma canção que adoro cantar.
Infelizmente já não canto nas suas missas.

Por vezes o que falta, é um pouco de tolerância e compreensão.
Gostam de complicar as situações, o mundo já nos "dá" problemas suficientes, não precisamos de "criar" mais.

"Um dia uma criança me parou,
Olhou-me nos meus olhos a sorrir;
Caneta e papel na sua mão,
Tarefa escolar para cumprir.
E perguntou, no meio de um sorriso,
O que é preciso para ser feliz.

AMAR COMO JESUS AMOU,
SONHAR COMO JESUS SONHOU,
PENSAR COMO JESUS PENSOU,
VIVER COMO JESUS VIVEU.
SENTIR O QUE JESUS SENTIA,
SORRIR COMO JESUS SORRIA;
E, AO CHEGAR AO FIM DO DIA,
EU SEI QUE DORMIRIA MUITO MAIS FELIZ.

Ouvindo o que eu falei ela me olhou
E disse que era lindo o que eu falei;
Pediu que repetisse por favor,
Que não dissesse tudo de uma vez.
E perguntou de novo, num sorriso,
O que é preciso para ser feliz.

Depois que terminei de repetir,
Seus olhos não saíam do papel.
Toquei em seu rostinho e, a sorrir,
Pedi que ao transmitir fosse fiel.
E ela deu-me um beijo demorado
E ao meu lado foi dizendo assim."